FARINHA DE MILHO: completa de sabor e benefícios

20 de maio de 2022 | Por

Mais grossa que o fubá, a farinha de milho é um alimento acessível que pode ser utilizado em diversas receitas de pães, bolos, farofa e cuscuz, entre uma infinidade de preparações cheias de sabor e um colorido mais vivo.

Conhecido pela humanidade há mais de 7 mil anos, o milho é um dos cereais mais nutritivos disponíveis para a nossa alimentação por oferecer uma série de vitaminas e minerais, além de carboidratos e fibras. Sua importância para o nosso desenvolvimento era tanta que o nome dado a esse cereal pelos índios caribenhos significa “sustento da vida”.

Os benefícios do milho se mantêm depois do seu processamento em farinha e são boas razões para você olhar com mais carinho para esse ingrediente. Conheça os principais:

Promove a produção de energia: Por ser uma fonte de zinco (um copo tem 2 mg, o que representa 25 % das necessidades diárias das mulheres), a farinha de milho ajuda nosso organismo a aproveitar melhor os alimentos, facilitando a transformação dos carboidratos em energia. Além disso, o zinco participa do metabolismo das proteínas, permitindo a construção dos músculos.

Esse benefício também se dá pelo conteúdo de ferro da farinha de milho (2,8 mg ou 16 % das necessidades diárias das mulheres por copo), pois esse mineral é fundamental para o transporte do oxigênio até as células. Na falta desses elementos, podemos sentir cansaço, indisposição e até mesmo tristeza e irritabilidade devido à baixa energia para realizar as tarefas do dia a dia.

Estimula o sistema imunológico: Este é mais um benefício da farinha de milho conferido pelos minerais zinco e ferro, que participam da produção das células de defesa e da atuação delas no combate aos microrganismos invasores. Sem um consumo adequado desses minerais, ficamos mais sujeitas a resfriados, gripes e infecções em geral, além de nosso organismo levar mais tempo para se recuperar de uma doença.

 Combate à anemia: O conteúdo de ferro da farinha de milho também nos ajuda a evitar a anemia ferropriva, que leva à diminuição do número de células vermelhas (hemácias) no sangue como consequência da redução da hemoglobina (proteína presente nas células vermelhas).

Como as hemácias são responsáveis pelo transporte de oxigênio até as demais células, permitindo a geração de energia, a falta de ferro causa cansaço, fraqueza e indisposição, o que pode nos prejudicar no trabalho e nos estudos.

Ajuda na saúde ocular: O milho é um grão rico em carotenoides como a luteína e a zeaxantina, que têm propriedades antioxidantes e protegem a retina contra os danos provocados pela luz, prevenindo doenças como a catarata e a degeneração macular. Além disso, a farinha de milho contém betacaroteno, que é transformado em vitamina A pelo nosso organismo e evita a cegueira noturna.

Diminui os índices do colesterol LDL: Devido ao seu conteúdo de fibras (8,5 mg ou 34 % das necessidades diárias para mulheres em um copo), a farinha de milho ajuda a controlar os níveis de colesterol LDL, considerado o colesterol ruim, ao diminuir a absorção de gorduras pelo intestino e favorecer sua eliminação pelas fezes. Em consequência, esse alimento contribui com a saúde cardiovascular por reduzir o risco da formação de placas de gordura nos vasos sanguíneos.

Não tem glúten: Como o milho é um cereal isento de glúten, diferente do trigo, do centeio e da cevada, a farinha produzida a partir desse grão pode ser consumida por pessoas com doença celíaca ou com intolerância à essa proteína. Dessa forma, a farinha de milho pode ser utilizada como substituição a outras farinhas em diversas preparações como bolos, tortas e massas, que podem ser consumidas por esses pacientes ou por quem deseja evitar o glúten por outros motivos.

TIPOS DE FARINHA DE MILHO

Primeiramente, a farinha de milho branca combina bem com outros ingredientes e pode ser misturada com farinha de trigo para reduzir o glúten dos bolos e biscoitos. Além disso, é possível utilizá-la como um enchimento ou liga em biscoitos, pastéis e até na indústria de carnes.

De acordo com a ANVISA, a farinha de milho e fubá são sinônimos. Porém, em linguagem coloquial, o fubá se refere à farinha de milho moída mais fina. Já a farinha de milho traz alusão ao produto mais grosso, em flocos, usado em farofas e no cuscuz.

O processo de fabricação de cada um também difere. Nesse sentido, o fubá é feito pela moagem dos grãos secos de milho, enquanto a farinha é feita de uma massa de grãos peneirados e floculados.

DICA DE RECEITA LUZAGO: BOLO DE FARINHA DE MILHO TRADICIONAL

Ingredientes: 2 xícaras (chá) de leite, 2 a 3 xícaras (chá) de óleo, 3 ovos, 2 xícaras (chá) de açúcar mascavo, 2 xícaras (chá) de farinha de milho amarela, 50 gramas de coco ralado fino, 1 colher (sopa) de fermento em pó e 25 gramas de queijo parmesão ralado.

Modo de preparo: Bata no liquidificador por 2 minutos o leite, óleo e ovos. Na sequência, acrescente a farinha de milho, açúcar e o queijo e bata novamente por mais 2 minutos. Logo após, junto o coco ralado e o fermento e bata rapidamente, para misturar. Coloque a massa em forma untada com óleo e enfarinhada (use farinha de trigo). Leve ao forno pré-aquecido em 180º C para assar, por cerca de 40 minutos.

 

COMPARTILHE:

Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre as novidades em seu email.